24 de jan de 2013

Por que você não fica comigo?


Por  mais que eles queiram ficar juntos, estão sempre arrumando um motivo para brigar...
Este é o top 10 que grita: Por que você não deixa de frescura e fica comigo de uma vez?

Dearly, departed
Respirou fundo como se fosse encher os pulmões e, quando o ar saiu, disse: — Estou morto, Nora.
Eu sabia que esse assunto ia aparecer em algum momento, vindo dele ou de outra pessoa.
— É difícil pensar em você como morto quando você ri comigo, anda comigo, sorri para mim...
Ele balançou a cabeça tristemente, e um pouco de cabelo caiu sobre seus olhos. Ele não os tirou dali, e aquilo tornou seu rosto sombrio.
— Sou perigoso.
A Esperança
"Eu devo ter amado você um bocado."
"Você amou."Minha voz prende e eu finjo tossir.
"E você me amou?" ele pergunta.
Eu mantenho meus olhos no chão ladrilhado. "Todos dizem que eu amei. Todos dizem que é por isso que Snow torturou você. Para me arruinar."
"Isso não é uma resposta," ele me fala.



Anjo Mecânico
Ele abriu a boca. As palavras estavam lá. Ele estava prestes a dizê-las quando um choque de terror passou por ele, terror de alguém que, vagando em uma névoa, para apenas para perceber que parou a centímetros da borda de um enorme abismo. O jeito que ela estava olhando para ele—ela podia ler o que havia em seus olhos, ele imaginou. Devia estar escrito ali claramente, como as palavras na página de um livro. Não houve tempo, sem chance de esconder.
“Will,” ela sussurrou. “Diga alguma coisa, Will.”
Mas não havia nada para dizer. Havia apenas o vazio, como havia sido antes dela. Como sempre seria.
Eu perdi tudo, Will pensou. Tudo.
Sussurros de uma garota apaixonada
— Essa foi até convincente — murmurou Danny quase que orgulhoso — Sabe, Brooke... você é realmente muito, muito bonita. Eu deveria ter ficado com você quando era... — e ele bufou. Ele estava tão perto de mim que agora eu não conseguia mais ver Lucy. Danny estava praticamente em cima da mesa, a centímetros de meu rosto.
— Você está bem, Brooke? Você está muito, vermelha — ouvi Lucy dizer.
— Ahhh... sabe... eu v-v-vou para a aula, estou praticamente atrasada — levantei-me aos trancos e fui caminhando até a porta. Ouvi Lucy gritar: — Mas ainda faltam 15 minutos, Brooke.

O Substituto
Pude ver a silhueta dela, o contorno do corpo sob a camiseta. Sabia que devia me manter afastado, mas, de repente, tudo o que eu queria era tocá-la. Atravessei a cozinha e parei ao seu lado, pelo menos assim a gente não teria de gritar nossos segredos para que o outro escutasse. A boca de Tate se abriu num sorriso duro, cínico; nada de bom poderia sair dali. Seus cabelos exalavam um aroma de toranja aliado a alguma outra essência leve e vaporosa que não parecia combinar com ela, mas que era boa mesmo assim.
Runaway
"O que eu sou," ele prosseguiu, "sua droga de cachorro? Você pode me tratar como lixo e eu vou simplesmente vir correndo para você sempre? Ah, não, espera - você trata sua cachorra melhor do que me trata." Ele apontou para Cosabella, enrolada ao meu lado. "Você a deixa por dentro de tudo."
Eu pisquei para ele. Isso tinha ido de muito, muito bom pra muito, muito ruim em uma questão de minutos. No meu sonho, Christopher tinha me perdoado completamente. E então ele tinha se agarrado comigo.
Mas não parecia que isso ia acontecer na vida real.
"Encare, Em, você não me ama de verdade," ele disse bruscamente.
"Você diz que sim, mas não me ama. Você sabe como eu sei disso?
Porque você não confia em mim.
Something, maybe
“Hannah,” ele diz, “você realmente acha que eu não posso me importar com as coisas? Com as pessoas?”
“Eu...” eu digo, de repente muito consciente de como ele estava perto e como nós estamos sozinhos e como, de perto, os olhos dele são na verdade mais azul-acinzentados do que azuis. E como meu corpo não parece perceber que eu não estou olhando para o Josh, minha alma gêmea, mas para o Finn, que me deixa louca.
“Hannah,” ele diz de novo, e eu nunca tinha reparado na boca do Finn (bem, talvez um pouco), mas é uma boca bonita, especialmente quando está curvada como está agora, como se ele pudesse estar pensando sobre a minha boca, como se ele pudesse estar...
Die for me
Não consigo imaginar tendo que viver com o que aconteceu hoje como base regular. E quando for a sua vez será ainda pior, não posso suportar a ideia de ver você morrer de novo e de novo. Isso lembra muito a morte dos meus pais.
Engasguei com minhas palavras e comecei a chorar, e Vincent se moveu na minha direção, mas segurei uma mão no alto para impedi-lo. ― Se fosse para acabar amando você, eu não conseguiria viver desse jeito. Em constante agonia. Sabendo que você estaria indo ser ressuscitado, ou o que quer que seja isso que você faz depois, não seria o suficiente ter uma vida através da sua morte repetidas vezes. Você não pode me pedir para fazer isso. Eu não posso fazer isso.
Ecos da morte
Isto é ridículo, ela ralhou consigo mesma. Ele é o seu melhor amigo! Ela viu a porta da frente se abrir mesmo antes que ela reduzisse a velocidade a uma parada completa. Jay puxava o seu blusão de moleton encapuzado por cima da sua cabeça, arrastando a sua mochila no seu rastro. Ele gritou algo para dentro da casa, provavelmente dizendo a sua mãe que ele estava indo para a escola, e fechou a porta atrás dele.
Era a mesma coisa todo dia. Não havia nada diferente de ontem e o dia antes disto. Nada diferente de cada dia desde que eles se tinham conhecido.
Exceto que agora o seu estômago subiu na sua garganta quando ele sorriu o seu estúpido sorriso de lado para ela e deslizou para o carro. Estúpida. Estúpida. Estúpida!
Ela sorriu de volta, desejando que seu pulso afoito diminuísse. “Pronto?”
“Não, mas nós temos escolha?”
Wake
— Harper — disse Daniel. Contrariando seu bom-senso, ela parou e se virou a fim de olhar para ele. — Por que não tomamos um café juntos qualquer dia desses?
— Não, obrigada — respondeu Harper rapidamente, talvez rápido demais, a julgar pela expressão magoada que atravessou o rosto de Daniel. Mas ele a apagou com a mesma rapidez, e sorriu para Harper.
—Tá certo — ele concordou com a cabeça. —Vejo você depois. - Harper se afastou dele sem dizer mais nada e o deixou sozinho no estaleiro.
Mas acho que sem essa raivinha que eles nos fazem o livro não teria graça. Torçam por esses casais indecisos pois alguns estão precisando de um bom colírio.

0 comentários:

Postar um comentário

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo